Menu Fechar

Dia do Pai – Entrevista a João Maurício e ao Prof. Paulo Maurício

No Dia do Pai, fomos ao encontro de João Maurício, atual aluno de doutoramento na FCUP e antigo dirigente associativo da AEFCUP, e do seu pai, o Prof. Paulo Maurício do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

O que significa o dia do pai para vocês?

João Maurício (JM): Sinceramente não sou muito dado a dias mundiais seja sobre que tema for, pelo que o dia do pai não significa muita coisa para mim. Talvez o primeiro dia do pai, que passei enquanto pai, tenha sido um tanto diferente mas muito por causa do mediatismo em torno do próprio dia. Não consegui ignorar o dia e penso que é normal. Ser pai significa muito mais do que o dia do pai. O dia em si é mais um para mudar fraldas.

Professor Paulo Maurício (PPM): Nada de especial. O dia 19 de março é mais um dia, em 365/366 que o ano tem. No entanto, relacionado com o facto de ser filho de um pai e pai de um filho, há três dias especiais: o dia 4 de novembro, dia do nascimento do meu pai, dia 9 de novembro, o dia da sua morte, e o dia 12 de fevereiro, dia de nascimento do João.

O que te inspirou no teu pai para vires estudar para a FCUP?

JM: O meu pai é de facto uma pessoa que me inspira e em muitas coisas. É um exemplo acima de tudo como pessoa. No entanto, a minha vinda para a FCUP não teve muito a ver com ele, sinceramente. Sempre quis ser professor e talvez por isso, e por ele o ser, surja frequentemente essa pergunta. O que mais inspirou a minha vinda para a FCUP foi a matemática e a física.

Como descreveria a FCUP em três palavras?

PPM: Minha segunda casa.

Como descreveriam o vosso percurso na FCUP?

JM: O meu percurso ainda não acabou. Estou neste momento a fazer o doutoramento. No entanto, até hoje, o meu percurso foi fantástico. Tanto como aluno e tanto como dirigente associativo aprendi muitas coisas que me fizeram crescer enquanto pessoa. A FCUP tem uma magia que não sei  explicar.

PPM: Diferente do que imaginei inicialmente. Para pior!

Qual o momento mais marcante de que tem memória na FCUP?

JM: Essa pergunta é difícil. Tive muitas. Muitas mesmo! Restringir tantos momentos marcantes a apenas um é uma tarefa muito difícil. Tentem vocês mesmos! No entanto penso que foi quando soube a minha última nota. Aquela que me deu a conclusão do curso de Astronomia. Foi em finais de julho. A disciplina era a de Ondas e Meios Contínuos. O professor era o Professor Moreira, do Departamento de Física. Fiz o exame com o estatuto de dirigente associativo pelo que era o único na sala. Entreguei o exame e fui para casa. No dia seguinte (acho que foi no dia seguinte) recebo um e-mail com a minha nota! Não consigo descrever a minha alegria ao ler aquele email.

PPM: O primeiro dia na FCUP, como aluno.

Achas que a tua filha vai ser a próxima geração da FCUP?

JM: Não penso muito nisso. O que eu mais quero é que a Maria seja feliz. É a minha maior motivação desde que ela nasceu.